VarianVarian

Julian Booth

Apesar de uma chance de 5% de sobrevivência, Julian vence o câncer

Julian Booth foi diagnosticado com câncer em 2006. Felizmente, ele foi descoberto em 'estádio 1' devido aos check-ups regulares que Julian fazia por causa de um incidente anos antes; em 1997, após apresentar sintomas que indicavam que estava sangrando internamente, ele foi levado ao hospital, onde descobriram uma úlcera grave. Foi tratado imediatamente sem complicações, mas o cirurgião descobriu que Julian poderia ter esôfago de Barrett*. Os médicos de Julian começaram a monitorar sua condição com endoscopias regulares. Tudo estava bem até 2002, quando encontraram células cancerosas em seu esôfago e optaram por removê-las enquanto, simultaneamente, construíam um novo esôfago com o tecido do estômago. As endoscopias subsequentes não mostraram grandes problemas até 2006, quando seus médicos encontraram um tumor na junção onde seu novo esôfago e seu estômago se conectavam.

A equipe de oncologia de Julian recomendou uma forte dose de radioterapia e quimioterapia para diminuir o tumor. A equipe de radiação usou a tecnologia de "gating" respiratório, na qual um bloco é colocado no peito ou sobre o estômago do paciente e é monitorado por uma câmera infravermelha na sala. "Quando respirava, eles o calibraram de tal forma que, quando meu peito atingia um ponto exato e específico, a rajada (de radiação) era disparada." Esse avanço em radioterapia permite que o paciente respire confortavelmente enquanto a radiação é administrada nos momentos em que a exposição do tecido saudável ao feixe é minimizada. Para ajudar a se posicionar com conforto e precisão, Julian deitou-se em um molde corporal exclusivo feito para ele enquanto o gantry – a parte da máquina que libera a radiação – girava ao seu redor.

A pele de Julian apresentou bolhas durante a radioterapia, mas as enfermeiras cuidaram bem dele para ajudá-lo a se curar. "Os médicos disseram que me deram a dose máxima que eles poderiam pensar que eu toleraria." Ele ficou desconfortável por um curto período de tempo, mas levou apenas cerca de duas semanas após o término do tratamento para a pele de Julian cicatrizar.

Após 25 tratamentos, cinco dias por semana durante cinco semanas, ele se despediu de sua equipe, grato por sua chance de sobrevivência. "Eu entendo que a taxa de sobrevivência para câncer de esôfago é algo como 5%, o que não é exatamente o que você chamaria de 'boas chances'." Mas graças à descoberta de seu câncer em estádio inicial e ao tratamento agressivo que recebeu, Julian está vivo e bem em 2011 e desfruta de sua vida altamente ativa aos 82 anos.

"Estou em boa forma. Na verdade, estamos começando uma viagem com nosso trailer que durará 46 dias, começando aqui e indo para Colorado, Montana, Minnesota, Kansas City, Savannah, na Geórgia, e de volta ao Texas... 11.200 quilômetros dirigindo meu trailer. Então você sabe que temos que estar em condições razoavelmente boas para sequer pensar nisso!"

*De acordo com a Biblioteca Nacional de Medicina dos EUA, o esôfago de Barrett é um distúrbio no qual o revestimento do esôfago (o tubo que transporta os alimentos da garganta para o estômago) é danificado pelo ácido estomacal. Pacientes com esôfago de Barrett podem desenvolver mais alterações no esôfago, a chamada "displasia". Quando a displasia está presente, o risco de desenvolver câncer de esôfago aumenta.

Chorei quando fiz meu último tratamento porque eles cuidaram muito bem de mim.