VarianVarian

Jennifer Costello

Radiocirurgia trata com sucesso malformação arteriovenosa inoperável

Jennifer Costello tomou conhecimento de sua malformação arteriovenosa (MAV) em 1983, quando ela teve uma convulsão logo após dar à luz seu segundo filho. Uma imagem de TC revelou que ela tinha uma MAV profunda de 5 cm de diâmetro no hemisfério esquerdo do cérebro. Ela foi encaminhada a um neurocirurgião, que realizou um angiograma e determinou que sua MAV era inoperável. Sua única opção era tentar uma embolização para diminuir o fluxo sanguíneo e prevenir o desenvolvimento de um aneurisma, o que aumentaria a probabilidade de um sangramento intracraniano catastrófico.

Na época, as técnicas de embolização eram relativamente novas, com riscos substanciais de complicações, como um acidente vascular cerebral; então, Jennifer decidiu arriscar e não se submeter ao procedimento. Nos 20 anos seguintes, ela consultou seu médico para fazer ressonâncias magnéticas regulares e conseguiu viver uma vida normal sem se preocupar muito com sua MAV. Durante esse tempo, ela se manteve atenta em tomar sua medicação para evitar convulsões.

Então, em novembro de 2004, enquanto estava no trabalho, Jennifer sentiu uma dor de cabeça tão terrível que foi preciso chamar uma ambulância. No hospital, os médicos realizaram imediatamente uma tomografia computadorizada, que confirmou um sangramento intracraniano e um aneurisma relacionado à MAV. O neurologista da emergência colocou um sistema de derivação (shunt) para diminuir a pressão na cabeça e drenar o sangue da hemorragia. No dia seguinte, um especialista em embolização ocluiu o aneurisma com uma espiral e colou a artéria que sangrava.

Foi recomendado que Jennifer voltasse em fevereiro de 2005 para outra embolização e radiação para obliterar a MAV e evitar outro sangramento. Esses procedimentos e a recuperação exigiram que ela ficasse no hospital por uma semana. A radiocirurgia à qual ela foi submetida exigiu que os médicos imobilizassem sua cabeça com um "halo" preso ao crânio usando quatro pequenos parafusos. Esse procedimento de fixação e remoção do halo pode levar até quatro horas no dia do tratamento e, naquele momento, exigiu internação hospitalar. Jennifer recebeu anestesia local e analgésicos para a aplicação e a remoção do halo. Depois que se recuperou do tratamento combinado de embolização e radiação, ela foi convidada a voltar em seis meses para outra RM.

Em fevereiro do ano seguinte, a MAV de Jennifer havia encolhido. Naquela época, ela estava apresentando apenas efeitos colaterais leves: uma dormência no pé direito e um leve problema de fala. Depois de três anos, ela voltou para uma angiografia cerebral, que revelou que a MAV estava quase fechada. Seu radioncologista recomendou que ela fizesse uma segunda rodada de radiação, mas ela decidiu esperar e ver se a MAV continuaria a encolher.

Mas, então, em março de 2009, pouco antes de sua consulta anual com seu médico, ela teve outro sangramento intracraniano. No maio seguinte, ela retornou para um tratamento radiocirúrgico mais avançado. A tecnologia de radiocirurgia já havia evoluído para um procedimento ambulatorial não invasivo. Portanto, não foi preciso usar parafusos ou incisões, e ela entrou e saiu do hospital no mesmo dia. Em vez da colocação e remoção do "halo", Jennifer recebeu um simples anel de cabeça, que foi colocado sobre sua cabeça para imobilização durante o tratamento sem o uso de parafusos. Na radiocirurgia avançada moderna de hoje, os tratamentos neurológicos podem ser administrados com precisão usando um tratamento baseado em moldura (anel na cabeça) ou sem moldura (sem anel na cabeça). O tratamento em si é mais curto do que o tratamento anterior porque a radiocirurgia de hoje permite que os médicos usem doses mais altas de radiação para tratar mais rapidamente.

Após cada um de seus tratamentos de radiação em 2005 e 2009, Jennifer apresentou um efeito colateral chamado "edema", um inchaço no cérebro. Seus médicos não ficaram surpresos quando isso aconteceu pela segunda vez, visto que já havia acontecido, e foram capazes de reduzir o inchaço com um breve sequência de esteroides.

Nos três anos seguintes, Jennifer voltou para fazer ressonâncias magnéticas anuais, não teve mais edemas nem sangramentos e permaneceu com sua medicação anticonvulsivante. Quando ela foi fazer o check-up em junho de 2012, os médicos puderam ver pela ressonância magnética que a MAV havia desaparecido quase completamente.

Agora, Jennifer fará seguimento com seus médicos a cada três anos com uma RM. "Não quero que as pessoas tenham medo de fazer radiocirurgia no tratamento. Quero que saibam que a radiocirurgia pode funcionar para MAV. É uma situação positiva."

A Varian gostaria de agradecer ao UCLA Medical Center e ao Dr. Antonio DeSalles por sua inestimável ajuda no preparo desta história.

Não quero que as pessoas tenham medo de fazer radiocirurgia no tratamento. Quero que saibam que a radiocirurgia pode funcionar para MAV.