VarianVarian

John Lloyd

Paciente de câncer retal torna-se porta-voz dedicado após tratamento

A história de tratamento do câncer de John Lloyd começa em 2009. Aos 56 anos, ele começou a notar um pouco de sangramento após as evacuações, então agendou uma colonoscopia com seu médico para determinar a causa de seus sintomas. O que seu médico descobriu foi um tumor em seu reto. O médico colheu uma amostra de células para testar se o tumor era canceroso ou não. Alguns dias depois, John recebeu a notícia de que tinha câncer retal.

Seu médico recomendou 28 tratamentos de radiação com quimioterapia oral concomitante, seguida de cirurgia. Assustado e confuso, John entrou em uma "busca frenética por informações". Através de sua pesquisa, ele descobriu que este era o plano de tratamento padrão para o câncer retal. O objetivo do tratamento com radiação e quimioterapia antes da cirurgia é reduzir o tumor o máximo possível. Ao encolher o tumor, o médico tem uma chance muito maior, na cirurgia, de preservar o esfíncter para que uma bolsa de ostomia não seja necessária após o tratamento.

John começou seu tratamento de radiação com uma "simulação", na qual a equipe clínica fez uma imagem de TC para visualizar a localização do tumor e os tecidos circundantes. Durante a tomografia computadorizada, eles o ajudaram a encontrar uma posição reproduzível para o tratamento. Ele foi posicionado usando uma "prancha de barriga", que permite que o paciente deite de bruços na mesa de tratamento. Na prancha, o paciente é apoiado no peito e no quadril, mas com uma abertura para que a barriga relaxe em direção ao solo. Ele também foi instruído a beber muita água antes do tratamento, para tornar a bexiga mais pesada. Isto serve para ajudar os órgãos abdominais a "caírem" da área a ser tratada, minimizando assim a sua exposição à radiação. Sua equipe clínica também fez uma pequena tatuagem nas costas, do tamanho de uma sarda, para ajudar em futuros alinhamentos na sala de tratamento.

Quando John veio para o real tratamento, a equipe clínica o ajudou a assumir a mesma posição que eles criaram na simulação. Os técnicos de radioterapia fizeram pequenas marcas em sua pele com um marcador de feltro para alinhá-lo com o laser na sala. Uma vez que seu alinhamento foi confirmado, o técnico de radioterapia saiu da sala para administrar seu tratamento a partir da sala de controle. Embora o tratamento tenha demorado vários minutos, o feixe de radiação estava ligado apenas por aproximadamente noventa segundos por tratamento.

Durante o curso de sua radioterapia, John também tomou medicamentos quimioterápicos orais para ajudar a tornar as células tumorais mais suscetíveis à radiação.

John apresentou alguns efeitos colaterais agudos (de curta duração) e alguns de longo prazo do tratamento. Seus efeitos colaterais de curto prazo incluíram disfunção sexual e fadiga. "O que não estava claro para mim na época era que eram efeitos colaterais agudos (ou seja, de curto prazo). Eu não tinha ideia se eles ficariam comigo dali pra frente, só durante o tratamento ou apenas por alguns dias." Os efeitos colaterais agudos acabaram por desaparecer, deixando-o com apenas um efeito colateral perceptível em longo prazo – neuropatia, que provavelmente está relacionada a um dos medicamentos quimioterápicos que ele tomou após a cirurgia. A neuropatia é um tipo de dano nervoso que pode causar formigamento nos pés e, às vezes, nas mãos, como se estivessem dormentes. Sua saúde sexual voltou ao normal.

Com um diploma de graduação em biologia, John estava particularmente interessado na tecnologia de radiação usada para tratar seu câncer e queria conversar com o físico do centro sobre seus efeitos colaterais. Ele aprendeu que o tratamento afeta os pacientes de maneiras diferentes e que, em última análise, ele pode optar por interromper o tratamento ou continuar e aceitar a medicação que o médico lhe ofereceu para ajudar com os sintomas de seus efeitos colaterais. Ele estava convencido de que continuaria o tratamento.

Depois de completar o tratamento de radiação e quimioterapia, John agendou sua cirurgia. Ele recebeu ótimas notícias após a cirurgia – não havia evidência de qualquer tumor remanescente. Outra colonoscopia, um ano depois, também não revelou evidências do tumor. Ele também fez várias ressonâncias magnéticas desde que terminou o tratamento, com cerca de 6 meses de intervalo entre elas, e, no momento em que escrevo, quatro anos depois, ele continua livre do câncer.

Ao longo dos últimos anos, John tornou-se um porta-voz apaixonado de pacientes recém-diagnosticados com câncer retal. Ele criou seu próprio blog em http://colon-semicolon.blogspot.com/ e iniciou um grupo de bate-papo on-line para pacientes colorretais em estádio 4 chamado Survivorchat.org. E é voluntário da Colon Cancer Alliance (www.ccalliance.org). Ele incentiva todos a fazerem exames regularmente para ajudar a detectar câncer em seus estádios iniciais e melhorar as opções de tratamento. Para o paciente recém-diagnosticado, ele orienta: "Há uma grande diferença entre os efeitos colaterais agudos e de longo prazo – os efeitos colaterais agudos geralmente podem ser controlados".

Informações importantes de segurança: Os aceleradores lineares da Varian Medical Systems se destinam a fornecer radiocirurgia estereotáxica e radioterapia de precisão para lesões, tumores e condições em qualquer parte do corpo onde o tratamento com radiação é indicado.

Os tratamentos de radiação podem causar efeitos colaterais que podem variar dependendo da parte do corpo a ser tratada. Os mais frequentes são normalmente temporários e podem incluir, dentre outros, irritação nos sistemas respiratório, digestivo, urinário ou reprodutivo, fadiga, náusea, irritação da pele e perda de cabelo. Em alguns pacientes, eles podem ser graves. As sessões de tratamento podem variar em complexidade e tempo. O tratamento com radiação não é apropriado para todos os cânceres. Você deve conversar com seu médico sobre os possíveis efeitos colaterais e sua gravidade, bem como os benefícios da radiação, para garantir que o tratamento com radiação seja adequado para você.

Há uma grande diferença entre os efeitos colaterais agudos e os de longo prazo – os efeitos colaterais agudos geralmente podem ser controlados.